18 janeiro 2007

Mutiladores da nossa cultura - Alamar Régis Carvalho



Clique aqui pra ver a TV Rede Visão

Aqui a Rádio Espírita

Aqui a Rádio Visão


Somos criaturas experientes, todavia em determinados momentos agimos com uma ingenuidade de fazer pena... Não! talvez não seja ingenuidade não... deve ser uma disposição que muitos de nós temos em enganar a nós mesmos, fingindo que não estamos vendo certas coisas.

"Deixa como está pra ver como é que fica”.

“Olhe! É bom evitar falar sobre estas coisas para evitar confusões”.

“Rapaz, tu já vais começar a querer mexer em ninho de marimbondos?”

Vamos raciocinar, gente! Vamos pensar! Somos praticantes de uma doutrina que veio ao mundo para nos dar carta de alforria em relação às amarras e às mordaças! Temos o direito de pensar, raciocinar e discernir!

Raciocinemos, então.

Imagine você, que ama a Literatura, se interesses poderosos tivessem tirado Carlos Drumond de Andrade da cultura brasileira.

Suponhamos que isto tivesse acontecido, lá pro final da década de 50, início dos anos 60.

Você já imaginou como seria a cultura brasileira sem aquele mineiro extraordinário?

Ele deixaria de existir?

Não, ele não deixaria de existir nunca! A sua obra estaria pronta do mesmo jeito, apenas muitos de nós estaríamos capengas em conhecimentos, porque os interesses de alguns não permitiram que o Brasil tomasse conhecimento da sua existência.


Mas faz de conta que esses mesmos interesses de alguns retirassem, também, da história do Brasil figuras outras como Machado de Assis, Monteiro Lobato, Castro Alves, Graciliano Ramos, Manoel Bandeira, Raquel de Queiroz...

Estão todos excluídos da Literatura!!! Em nome da minha intolerância!!!

Você já imaginou o que seria da nossa cultura?

Seria terrível, mas muita gente nem perceberia os boicotes.


Você sabia que fizeram de tudo para apagar o nome do extraordinário Ruy Barbosa da história do Brasil, por interesses religiosos?

Só não conseguiram porque o baixinho baiano era terrível, era persistente, destemido, não se intimidava diante das inferioridades espirituais de ninguém, não tinha rabo de palha nem telhado de vidro e enfrentava as “feras” cara a cara, jamais admitindo que alguém se atravesse a mandar-lhe calar a boca ou deitar a pena.

Em toda a história da humanidade muitas criaturas maravilhosas, extraordinárias e notáveis foram presas, humilhadas, injuriadas e queimadas. Porque eram bandidas? Não, porque eram competentes, inteligentes, dinâmicas, criativas e altamente produtivas em alguma coisa.

Mas Alamar, o que é que o público marcado como espírita da sua agenda tem a ver com isto?

É para ele mesmo que eu quero falar, ou melhor, para o segmento dele que se dispõe a raciocinar, uma vez que somos profitentes de uma doutrina que propõe a racionalidade. Não nos acomodemos apenas em dizer, por questão de elitismo, que fazemos parte de uma doutrina racional, só porque Kardec raciocinou, Leon Denis raciocinou e outros homens raciocinaram, como diz o grande Luiz Signates.


Vamos raciocinar NÓS MESMOS!!!

Que tipo de espírita eu sou? Que cultura espírita eu tenho? Qual o alicerce doutrinário que eu criei pra mim?

Será que eu, levado pela ingenuidade ou pelo fingir que não vejo, não estou limitando os meus conhecimentos acerca desta coisa extraordinária chamada Espiritismo, que pode me fazer tanto bem e proporcionar-me condições para fazer bem também a centenas, milhares ou talvez até milhões de pessoas?

Quais as fontes de informações sobre experiências espíritas que eu me permito consultar? Será que eu me dou autonomia para eu mesmo escolher o que devo ler e a quem eu devo ouvir, ou vivo, em nome de uma humildade equivocada, submetendo-me ao capricho de alguém que determina-me o que fazer e como fazer?

Que respeito tenho eu para com a minha própria inteligência?

Que tipo de espírita sou eu?

Daquele tipo que acredita ser verdade que o Emmanuel tenha mesmo mandado o Chico Xavier comer uma barata que caíra numa sopa?

“Ah, todo mundo diz isto!!”

Será que porque todo mundo diz, eu necessariamente tenho que sair por aí dizendo tamanha bobagem?

Será que um Espírito do nível de Emmanuel seria capaz de tal perversidade com uma criatura tão querida como Chico Xavier?

Emmanuel nunca mandou Chico Xavier comer barata

Terei eu que sair por dizendo que “estou melhor do que mereço”?

Tudo isto em nome de uma humildade absolutamente mal compreendida?

Que espírita sou eu? Será que isto que pratico é verdadeiramente o Espiritismo, conforme a proposta da equipe do Espírito da Verdade trazida ao mundo através da maestria de Allan Kardec?

Gente! Está na hora de muitos de nós libertarmo-nos desta formação cultural espírita com base no ouvi dizer ou conforme a cabeça do seu Raimundo, da dona Ester, do doutor Sebastião, da dona Carmem, da dona Lucila ou do médium A, B ou C.

Pare com isto!

Se o seu Raimundo e dona Ester não gostarem de um determinado nome que foi notável na história do Espiritismo, certamente eles não deixarão que você tome conhecimento da obra dessa personalidade, com se fosse “coisa do satanás”.

Mas isto acontece no Espiritismo?

No movimento espírita acontece, sim; E MUITO.

Não esqueçamos que o Espiritismo é coisa inventada por Espíritos Superiores, mas o movimento espírita é praticado por homens, humanos, encarnados, cheios de paixões e imperfeições, como qualquer um de nós.

Não generalizemos nunca, mas, talvez, você esteja inserido(a) em alguma casa espírita onde a sua cultura esteja sendo monitorada, sem que você se aperceba disto.

Você já ouviu falar de Deolindo Amorim?






Deolindo Herculano Hermínio Caibar Carlos

Amorim .....Pires ... .Miranda Schutel Imbassahy

Se participa de um centro no qual na diretoria conste alguém que ache, também, que ele foi presunçoso ao criar o Instituto de Cultura Espírita do Brasil, com certeza você nunca ouviu e nem vai ouvir falar neste nome.

Você conhece Hermínio Correa de Miranda?


Se o dirigente da sua casa espírita não gosta do Hermínio, com certeza a sua cultura espírita não terá espaço para ele.

Existem dirigentes de centros que não gostam do Herculano Pires, outros não gostam do Cairbar Schutel, outros não gostam do Divaldo Franco, do Raul Teixeira, da Dona Yvone do Amaral Pereira, do Carlos Imbassahy, do Edgar Armond e até há quem não goste do próprio Chico Xavier, sob a argumentação de que ele igrejou o Espiritismo.

Gente, eu recebo E-mails, todos os dias, de pessoas que gostam do trabalho da rede visão, mas, por incrível que pareça, chegam também aqueles me pedindo para retirar da nossas TV e da nossa rádio, determinados nomes, exigindo de mim a prática da mesma censura e até do ódio que lhes são peculiares. Não é fácil. E há quem fique com raiva quando eu digo que não quero estar inserido no universo de espíritas que odeiam.

Sem dúvida alguma o “não gostar” é alguma coisa natural, já que nem todo mundo é obrigado a gostar de todo mundo que eu ou você possa gostar. Só que o problema é muito mais sério: Quando eu não gosto de alguém, eu me julgo no direito de fazer de tudo e até proibir que as “minhas ovelhas” (tem gente que adora ter ovelhas) não tenham acesso à obra daquele alguém.

Está certo isto???????????

É isto que venho, insistentemente, falando em meus E-mails para muitos espíritas que... desculpem a franqueza... estão se postando como verdadeiras bestas nas mãos de determinados manipuladores de consciências.

O que quer dizer o Alamar quando fala, repetida e insistentemente, em seus E-mails que criou uma televisão e uma rádio espíritas que não permitirão a censura, o index librorum prohibitorum, a discriminação, o boicote e a sabotagem a obras de confrades?

É porque eu conheço muito bem o terreno, minha gente!!!

É impressionante o número de pessoas que entram, mesmo por curiosidade, em nossa televisão, até mesmo pessoas que antes não iam muito com “fachada” do Alamar, e de repente enviam E-mails dizendo coisas mais ou menos assim:

“Eu assisti as quase duas horas de entrevista que você fez com o Dr. Hernani Guimarães Andrade, Alamar. Fiquei impressionado com aquele homem maravilhoso. A imagem que fizeram dele pra mim na casa espírita em que freqüento, há mais de 15 anos, nunca me deixou despertar interesse por qualquer obra dele. Agora percebi o quanto você tem razão, meu amigo, nisto que fala em seus E-mails e algumas pessoas chegam a dizer até que é desajuste de sua parte. Estou contigo e vou assistir a Rede Visão em todo tempo que tiver disponível.”

É por isto que digo a você, meu amigo e minha amiga:

Escutem na Rede Visão alguns companheiros notáveis que hoje estão desencarnados, como Henrique Rodrigues, Carlos Bernardo Loureiro, Reynaldo Leite, Altivo Pamphiro, Antonio Carlos Costardi e outros que comeram o “pão-que-o-diabo-amassou” em nosso movimento e tire, você mesmo, a conclusão se esses homens tem alguma coisa a ver com esse “diabo” que muitos espíritas pintam.

Há também outros, encarnados, que você vai ter a oportunidade ouvir:

Estevão Camolesi, queimadíssimo por muita gente no movimento; Clóvis Nunes, com argumentos inteligentíssimos sobre a excelência do Espiritismo; Nazareno Feitosa, o cearense de Brasília e tantos outros.

Há também outro absurdo que você precisa saber:

Sabia que existem determinados Estados, no Brasil, onde algumas lideranças espíritas pregam que na Bahia não tem Espiritismo que preste e que, em função dessa fama folclórica que o Estado tem de ser a “terra da macumba” (o que não é verdade), há gente, irresponsável e inconseqüente, até mesmo dentro de federações espíritas, afirmando que na Federação Espírita Baiana ensina até banho de sal grosso e fazem rituais que nada tem a ver com o Espiritismo?

Eu não sei porque grandes eventos espíritas realizados em vários estados adoram convidar expositores da Bahia (sempre tem alguém da Bahia que “sacode” platéias), o que dá um certo incômodo em alguns. Eu imagino que deve ter havido alguém que divulgou muito alguns nomes da Bahia, que despertaram a simpatia de milhares de brasileiros.

Veja, na Rede Visão, nomes como Marcel Mariano, Adenauer Marcos Novaes, Djalma Motta Argollo, Solange Meinking, Marco Aurélio Medrado, Walter Hart, André Luiz Peixinho, Rui Diamantino, Florêncio Anton, Kau Mascarenhas, Medrado, Carlos Bernardo, Edvaldo Veloso e vários outros, faça você mesmo as suas anotações, no uso da sua própria inteligência, e conclua se, pelo conteúdo, algum deles tem cara de viver praticando mistificações no Espiritismo.

O diferencial da Rede Visão é algo extraordinário, meu amigo e minha amiga!

Este negócio de nós somos uma televisão espírita sem censura não é algo sem sentido que o Alamar anda dizendo não, é algo bastante relevante para a sua cultura.

Você que, talvez na estante da sua cultura, tenha apenas a coleção enciclopédica da Delta Larousse, aqui na Rede Visão vai ter a Delta Larousse, a Barsa, a Mirador, o Lelo Universal, a Britânica e toda a cultura disponível.

Nós vamos incentivar e promover estudos profundos da Doutrina, para que você conheça toda a obra básica do Espiritismo, para que tenha condições, você mesmo, de tirar as suas conclusões, faça os seus filtros, saiba identificar uma ou outra bobagem que, porventura, alguém venha a falar (e quem não fala?), para que não seja praticante de um espiritismo à moda do Alamar, da Dona Laura, do seu Raimundo ou de seja lá quem for.

Veja a Rede Visão e a Rádio Espírita, que já estão no ar, além da TV ESPÍRITA, que está vindo aí, e comprove o que estamos a dizer.

Tudo está no nosso site http://www.redevisao.net/

Agradeço pela atenção e espero que todos tenham entendido bem a importância do que coloquei aqui.

Carinhosamente

Alamar Régis Carvalho

alamar@redevisao.net

orkut “alamarregis”

Um comentário:

Edney Souza disse...

Fiz uma estatística literária do Orkut, talvez lhe interesse:
http://www.interney.net/?p=9757271